segunda-feira, 6 de maio de 2013

Vagão para monotrilho pesa menos 500 quilos


23/04/2013 - Valor Econômico

O inconveniente nesta escolha é que a durabilidade do alumínio não passa de 30 anos

Por Rosangela Capozoli

A diferença de 500 quilos a menos no peso de um carro monotrilho que se move com pneus a 15 metros de altura, em relação aos trens de metrô, é a vantagem que leva os construtores desse veículo aéreo a escolher o alumínio para a construção das carcaças dos carros. O inconveniente nesta escolha é que a durabilidade do alumínio não passa de 30 anos, enquanto que os carros de aço inoxidável do metrô resistem meio século, o que, no entanto, é compensado pelo custo desse insumo, de até 40% menos que o utilizado no metrô.

Essas foram as razões que levaram os construtores do monotrilho de São Paulo a optar pelo alumínio. Primeiro da América Latina, o trem começará com duas linhas, a 17 Ouro, que ligará Congonhas ao Morumbi, e a 15, Prata, que irá da Vila Prudente à Cidade Tiradentes. O alumínio é o material usado no Japão, desde a década de 1960. O que não ocorre nos países nórdicos, onde a opção é pelo aço inoxidável.

"A vantagem é a leveza que se ganha no sistema e na estrutura. Hoje, o alumínio tem uma resistência que atende as especificações e garantias de vida do material rodante, com duração superior a três décadas", explica Alan Moreira, presidente da Associação Nacional dos Transportadores de Passageiros Sobre Trilhos (ANP/Trilhos). O executivo, que também é diretor do Grupo MPE, fabricante de monotrilhos, observa que, além de mais leve, o alumínio facilita o processo de implantação. "O monotrilho tem uma capacidade de implementação muito mais rápida que o do metro. É possível implantar 40 quilômetros de monotrilho em 40 meses sendo que a mesma extensão de metrô pode consumir até 10 anos. Outra vantagem é o custo. O monotrilho chega a custar até 40% do valor total da construção de um metro", completa Moreira. Considerando-se o fato de o monotrilho correr em vigas elevadas e o metrô exigir escavações bastante dispendiosas.

David Turbuk, gerente de concepção e sistema da Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô), explica que, além das qualidades do alumínio em termos de leveza, há um outro aspecto que precisa ser levado em conta. "É mais simples fabricar uma caixa de alumínio que uma de aço inoxidável. O aço exige um trabalho artesanal, sendo que o processo de produção com alumínio pode ser automatizado", afirma.

Segundo Turbuk, um carro do metrô chega a pesar 8 toneladas enquanto o do monotrilho pesa 7.500 quilos. "No caso do metrô, que corre sobre trilhos, o peso maior é irrelevante. O que não ocorre com os vagões do monotrilho, porque trafegam sobre vigas e pneus. Qualquer redução, nesse caso, é um grande ganho."

As empresas OAS e Queiroz Galvão são as responsáveis pelas obras de infraestrutura, onde serão colocados os trilhos. Os 53 trens que rodarão pelo sistema são produzidos pela canadense Bombardier em uma fábrica inaugurada há cerca de um ano em Hortolândia, no interior de São Paulo. O objetivo da empresa é transformar o local em um centro mundial de produção de monotrilhos de alta capacidade. "Aplicamos a tecnologia usada na fabricação de avião aos monotrilhos", diz Luis Ramos, diretor de Comunicação da Bombardier para a América Latina.

"Será o primeiro monotrilho de alta capacidade do mundo, considerando custo benefício", diz Ramos. A expectativa é que o Expresso Monotrilho Leste tenha capacidade para transportar meio milhão de pessoas por dia. Parte dos componentes usados na fabricação é importada da China. "A expectativa é que 60% das peças sejam nacionais, fabricadas por empresas da região de Hortolândia. Já estamos firmando parcerias com fornecedores", informa.

Fonte: Valor Econômico